5 de abr de 2010

Copa da África


Terra selvagem de riqueza exuberante e pobreza sem fim.
Berço de civilizações memoráveis e barbáries incontáveis.
Terra esquecida há tempos pelo resto do mundo.


É lá na África que será realizada a 3ª Copa do Mundo deste milênio, e justamente lá no extremo sul do continente, onde o Apartheid deu adeus a um tipo de regime escravagista moderno. Diferentemente do praticado no Brasil, esse era aberto e com regras bem definidas: ‘’AQUI NÃO ENTRA NEGRO”, justamente no “continente negro” os negros foram segregados, humilhados e perseguidos por estarem naquele local, a África do Sul.

Após um século de supremacia européia nas decisões da FIFA, alguém se lembrou do “continente esquecido” e deu o pontapé inicial nessa partida rumo a mais uma Copa do Mundo. Agora num país diferente, onde negros e brancos sentam lado a lado num estádio de futebol e onde os preconceitos foram se tornando coisa do passado.

Hoje faltando 70 dias para realização da Copa, o que falta? Muitos dirão: “rolar a bola”. Mas faltava algo muito mais importante para aquele país. Faltava enterrar Eugene Terre’Blanche, um louco de extrema direita fundador da “Organização de Brancos Radicais” que desde 1973 pregava a existência de um estado branco em plena África, alguém que nunca aceitou a convivência entre negros e brancos. Era racista até no nome, Terra Branca foi morto por dois empregados negros que não receberam seu pagamento devido (o que por si só já pode ser considerado trabalho escravo).

Será que os brancos radicais vão se rebelar e estragar o sonho de uma Copa Negra? Ou será que há espaço para o nascimento de uma Terra Negra no extremo sul da África?

Agora a África volta a ser negra, livre de antigos fantasmas do passado.

3 comentários:

  1. Espero que a copa deixe um legado além dos estádios de futebol. Realmente o continente "mãe" de todos os povos precisa ser olhado sob um novo prisma e a copa é uma excelente ocasião para isso.

    ResponderExcluir
  2. Pena que os africanos perderam uma bela oportunidade de valorizar a cultura negra ao colocarem a Shakira como cantora da abertura da Copa da África. E o pior, a Colômbia nem classificada para o mundial está.
    LCN

    ResponderExcluir
  3. Pena o M.Jackson não estar vivo para cantar um "we are the world" no palco da Copa.
    A vantagem que ele representaria bem negros e brancos (ou não... heheheh)

    ResponderExcluir