31 de mar de 2010

Play it again - Parte 1

Curuzu, antes de ser o ponto de eclosão total.
Vai dizer que nunca se pegou cantarolando uma daquelas mais toscas canções que escutou – meio sem querer – trocando o canal num domingo vadio em frente a TV?
Pois é… Bastaram alguns acordes e pronto! Aquele agudo do Zezé ou aquele “Lá-lá-ô” de alguma banda de axé se instalam em sua mente.
Nada contra aos cantores ou ao estilo musical, mas – cá entre nós – porque algumas letras são tão,
digamos… penosas?! E por que – e isso é o que me preocupa mais – eu ainda busco encontrar sentido ou coerência em algumas delas?
Frases do tipo “Quem é que sobe a Ladeira do Curuzu?”, ou “O Ile-aê começa onde termina o ponto de eclosão total”, fazem com que meus neurônios busquem – de forma automática – algum sentido. Sei que deve existir…
Sei que grande parte disso vem de meu desconhecimento frente ao contexto em que a letra foi criada. Mas ainda assim me pergunto: por que diabos o Ilê-aê começa onde termina o ponto de eclosão total? Por que o Ilê-aê não começa em outro lugar? E por que o ponto de eclosão total não termina num outro lugar? Onde diabos fica esse tal “ponto de eclosão total”??? Certa vez me disseram que era o famoso encontro dos trios elétricos no carnaval de Salvador. Que seja! Que criem então um busto, uma estátua, uma placa nesse tal ponto de eclosão total para que, o turista desavisado, saiba onde está pisando. E se esse ponto ficar na ladeira do Curuzu? Como as multidões lidarão com isso? Será esta a resposta para a dúvida de Daniela Mercury? Quem sobe a ladeira do Curuzu? Certamente a multidão que segue o Ilê-aê até o ponto de eclosão total. É óbvio!
E se na ladeira do Curuzu, no Ponto de Eclosão Total, estiver passando a “Nêga-do-cabelo-duro”? Daí já era. Nesse momento ímpar, o “Negão” logo se colocaria a gritar “pega ela aí, pega ela aí”… e a multidão do Curuzu diria em uníssono: “Pra que?” É claro que é pra “passar batom na boca e na bochecha”. Imagina agora uma multidão voraz, cada qual com um tubo de batom, em perseguição à moça afro-descendente? Imagina se ela tropeça numa pedra da ladeira do Curuzu e cai no ponto de eclosão total?! Seria um massacre.
continua…

30 de mar de 2010

A chave de tudo

Desde Platão, os cientistas procuram uma fórmula simples que comande o funcionamento do universo inteiro. Neste blog percorreremos caminhos desconhecidos para encontrar esta chave.

Pitágoras dizia que era a harmonia musical. Platão acreditava nos sólidos perfeitos. Newton e Einstein, no espaço, no movimento e na energia. Os físicos de hoje, em - o nome é este mesmo - supercordas. Desde que o mundo é mundo, os cientistas sonham com o dia em que toda a realidade caberá numa formulação simples e elegante, com o momento em que tudo o que existe, existiu ou existirá poderá ser entendido e explicado por uma espécie de teoria de tudo: completa, imune a contradições e paradoxos e, acima de qualquer suspeita, real. Até hoje, quem teve mais sucesso na empreitada foi o finado Tim Maia, que resumiu numa única frase - "tudo é tudo e nada é nada" - a confusão sem fim que é explicar este ou qualquer outro Universo.

Aqui neste blog você acompanhará nossa busca incessante pela CHAVE DE TUDO em pleno século XXI, nossos pensamentos, vontades, dúvidas e também a busca por nós mesmos.

Bem-vindos.